Ignorar Comandos do Friso
Saltar para o conteúdo principal

Institucional

Institucional
Objeto Social
A PARVALOREM, S.A. é uma sociedade anónima que tem por objeto social a prestação de serviços de consultoria, prestação de serviços administrativos, de aprovisionamento, operacionais e informáticos, a aquisição para a sociedade de títulos ou de créditos e correlativa gestão de carteira de títulos ou de créditos pertencentes à sociedade e a aquisição de imóveis para revenda no âmbito destas atividades.
Historial
As ações representativas do capital social do BPN – Banco Português de Negócios, S.A. (BPN) foram objeto de nacionalização, por força e nos termos do artigo 2º da Lei nº 62-A/2008, de 11 de novembro.
Subsequentemente, o Decreto-Lei nº 2/2010, de 05 de janeiro, aprovou a operação de reprivatização do BPN, tendo sido posteriormente alterado pelo Decreto-lei nº 96/2011, de 19 de agosto, no sentido de também contemplar a possibilidade de recorrer à venda direta na reprivatização do BPN.
Em execução dos Despachos de Sua excelência o Senhor Secretário de Estado do Tesouro e Finanças, respeitante à reestruturação do BPN e medidas subjacentes à mesma, determinadas pelos Despachos de Sua excelência o Senhor Secretário de Estado do Tesouro e Finanças nº 739/10-SETF, de 19 de julho, nº 875/10-SETF, de 19 de agosto, e nº 19070-A/2010-SETF, de 15 de dezembro, foram constituídas através de escritura pública outorgada em 16 de setembro de 2010, as sociedades PARVALOREM, S.A., PARUPS, S.A. e PARPARTICIPADAS, SGPS, S.A., (sociedades PAR’s) tendo como acionista único o BPN.
No âmbito do Memorandum of Understanding e do Memorandum of Economic and Financial Policies celebrados pelo Governo Português com a Comissão Europeia e com o Fundo Monetário Internacional, respetivamente e em execução do Despacho nº 825/11 do Senhor Secretário de Estado do Tesouro e Finanças , de 03/06/2011, que determina a aquisição pelo Estado Português, através da Direcção Geral do Tesouro e Finanças das ações, o Estado Português adquiriu 100% das ações  representativas do capital social da PARVALOREM, S.A., da PARUPS, S.A. e da PARPARTICIPADAS, SGPS, S.A., ao BPN em 14 de fevereiro de 2012.
As medidas subjacentes à reestruturação determinadas pelos Despachos de Sua excelência o Senhor Secretário de Estado do Tesouro e Finanças nº 739/10-SETF, de 19 de julho, nº 875/10-SETF, de 19 de agosto, e nº 19070-A/2010-SETF, de 15 de dezembro, passam pela segregação de um conjunto de ativos do balanço individual e consolidado do BPN e pela sua transmissão para as sociedades PAR’s.
Neste enquadramento, coube à PARVALOREM, S.A. adquirir ao BPN, S.A., ao Banco Efisa, S.A. e à BPN Crédito - Instituição Financeira de Crédito, S.A., um conjunto de créditos. 
Missão, Visão, Valores, Políticas e Linhas de Atuação
Missão
A PARVALOREM, S.A. tem por missão garantir a resolução do legado de créditos e de outros ativos, tendo em vista maximizar o encaixe financeiro e, consequentemente, limitar as potenciais perdas para o acionista, em decorência da operação de reprivatização do BPN, S.A., através de uma equipa profissional, coesa e comprometida com a obtenção e superação dos resultados esperados..
Visão
A PARVALOREM, S.A. pretende utilizar as melhores práticas de gestão para, em cada momento, com a informação disponível, e num contexto de acrescida complexidade do legado sob gestão, poder aproveitar oportunidades e tomar as decisões que melhor possam conduzir à maximização da recuperação do esforço público, com vista à liquidação da Sociedade, objetivos estes que estiveram na origem da criação da mesma.
Valores
Os valores pelos quais a PARVALOREM pauta a sua atuação são:
  • Comprometimento: promover as ações necessárias para o cumprimento da missão e objetivos que lhe foram conferidos pelo acionista;
  • Resiliência: manter o enfoque e a persistência perante dificuldades, renovando constantemente a motivação e o empenho em atingir os objetivos definidos;

 

  • Rigor: ser precisos, exatos e concisos na atuação, contribuindo para a definição e implementação eficiente das melhores soluções;

 

  • Transparência: promover uma comunicação clara e transparente, colaborando genuinamente para a construção das melhores soluções, agindo em conformidade;

 

  • Orientação para Resultados: pautar a atuação pela concretização dos resultados comuns definidos.

 

Políticas e Linhas de Atuação

 

A PARVALOREM, S.A. está focada nas diretrizes recebidas do seu acionista único, de racionalização da atividade da empresa, e em potenciar ao máximo a recuperação da carteira e a valorização dos outros ativos sob gestão num contexto de alienação.

Em março, o Conselho de Administração iniciou funções, tendo assumido como prioridade a definição de um Plano Estratégico que contemple as grandes linhas de ação que, no contexto de um mandato, possibilitem a recuperação da carteira de crédito e a alienação de grande parte dos ativos das empresas PARs com maximização do respetivo valor.

Neste enquadramento, definiu como grandes linhas de ação:

 
​ 

- Promover uma análise estratégica e detalhada das opções disponíveis para a gestão dos ativos das empresas (alienação, externalização da gestão e gestão orgânica) incluindo o modelo de custos para a quantificação de cada um dos cenários estudados;

​- Adaptar de forma contínua a estrutura orgâ nica da Empresa à sua atividade, através da racionalização da mesma e do enfoque nas áreas de negócio core, recorrendo a mobilidade interna, programa de rescisão voluntária ou soluções de externalização de atividades de suporte com a transferência definitiva de Colaboradores;
​- Promover a racionalização da estrutura de custos com vista à sua redução, designadamente através do reequacionamento de contratos de prestações de serviço, incluindo avenças de advogados, e das instalações das empresas PARs;
​- Promover a simplificação societária do universo das empresas PARs, no contexto da redução de custos e simplificação dos processos de trabalho;

​-  Efetuar um levantamento detalhado de todos os processos críticos de negócio, com vista a otimizá-los;

​-  Implementar um processo de gestão de risco operacional nos processos críticos de negócio;
​- Assegurar o cumprimento de todos os regulamentos em vigor, nomeadamente os aplicáveis às sociedades financeiras (PARPARTICIPADAS, SGPS, S.A., e suas subsidiárias);
​- Adaptar a informação de gestão interna aos requisitos exigidos às empresas do Setor Empresarial do Estado (SEE);
​- Assegurar continuamente a qualidade e fiabilidade da informação constante na aplicação central da PARVALOREM, S.A. (LMP/SGV);
-  Manter atualizado o sítio da PARVALOREM, S.A., PARUPS, S.A. e PARPARTICIPADAS, SGPS, S.A..
 
 
 
Objetivos e Resultados Definidos

 

Conforme previsto no artigo 38.º do Decreto-Lei n.º 133/2013, de 3 de outubro, que aprova o regime jurídico aplicável ao Setor Público Empresarial, o acionista tem o dever de definir quer os objetivos e resultados a alcançar em cada ano e triénio, em especial os económicos e financeiros, quer as orientações a aplicar no desenvolvimento da atividade empresarial reportada a cada triénio.

O ministério setorialmente responsável pela Tutela da Sociedade deve emitir as orientações específicas aplicadas a cada empresa e definir os objetivos a alcançar no exercício da respetiva atividade operacional. Relativamente ao triénio correspondente ao mandato de 2019-2021, os objetivos e métricas decorrem da Estratégia definida pelo Conselho de Administração em consonância com as orientações e objetivos definidos pela Tutela para as empresas PARs e Setor Empresarial do Estado (SEE) e no OE2019.

A análise do grau de cumprimento dos objetivos fundamenta-se na prossecução de um princípio básico de interesse público que conduziu à constituição da sociedade, nomeadamente a minimização do esforço financeiro do Estado, nas orientações do acionista e nas regras de bom governo definidas para o SEE (Setor Empresarial do Estado).

 

Objetivos e Indicadores

Classificação

2019

 
Observações

Classificação, face aos indicadores

QUALITATIVOS
Preparação e apresentação de um Plano de Liquidação das PARs a aprovar pela tutela que conduza à Implementação de medidas de Liquidação e Encerramento, tendo em conta a maximização de valor para o Estado:

Ano 2019 - Definição do Plano aprovado pelo Conselho de Administração

 

5

Classificação:

Não Cumpre = 1

Cumpre = 5

Cumprimento de obrigações legais
Garantir o cumprimento de todas as disposições legais e regulatórias (risco legal e regulatório)

Indicador: Desconformidades Resolvidas/Desconformidades Relatadas                                                                                       

 

5

Classificação:

Se indicador - 0% a 50% = 1

Se indicador - 50% a 80% = 3

Se indicador superior a 80% = 5

​Implementar um sistema de gestão de risco para assegurar o Controle e Mitigação do Risco Operacional:

2019: Arranque do projeto e difinição dos macroprocessos

 

​5

Classificação:

Não Cumpre = 1

Cumpre = 5

Implementação de melhorias nos regulamentos e procedimentos internos associados às boas práticas de gestão (otimização processos)

Indicador: N.º de intervenções/melhorias/atualizações nos normativos internos  

 

5

Classificação:

Se indicador - 0 = 1

Se indicador de 1 a 3 = 3

Se indicador superior a 3 = 5 

Cumprimento de obrigações de reporte (DGO, SIRIEF, SIGO, prestação de contas, etc…)

Indicador: Nº Ações cumpridas/N.º Total de Ações

 

 

​5

Classificação:

Se Indicador - 0% a 75% = 1

Se indicador - 75% a 90% = 3

Se indicador superior a 90% = 5

Eficácia das aplicações informáticas

Assegurar, ao nível da aplicação do sistema de gestão de créditos, o controlo sistemático de todas as operações internas e externas que permita uma informação de gestão fidedigna e atempada

Indicador: Disponibilidade efetiva/Disponibilidade total                                                                                                                   

 

 

​5

Classificação:

Se indicador de 0% a 90% = 1

Se indicação superior a 90% = 5

Sustentabilidade Ambiental e Social

 

Iniciativas de Fomento da empregabilidade

 

​3

Classificação:

Se Iniciativas -

se < 2 = 1; se 2 = 3; se ≥ 3 = 5 

Medidas de Responsabilidade Ambiental

 

​5

Classificação:

Se iniciativas/medidas:

se < 2 = 1; se 2 = 3; se ≥ 3 = 5 

QUANTITATIVOS
​Cumprimento PMP a Fornecedores

PMP Anual

 

 

​3

Classificação:

Cumprimento nas 3 PARs = 5

Cumprimento em 2 PARs = 3

Não cumprimento em nenhuma das PARs = 1

​Recuperação em cash

Peso do valor recuperado

Indicador = Recuperação Cash/ABS (VCL (N) - VCL (N-1))

 

​5

Classificação;

Se indicador < 0,8 = 1

Se 0,8 ≤ indicador < 1 =3

Se indicador ≥ 1 =5

 Eficiência Operacional
Peso dos FSE

Indicador = (FSE (N)/ Recuperação (N))/(FSE (N-1)/Recuperação (N-1))

 

​​1 (*)

Classificação:

Se indicador < 0,9 = 5

Se 0,95 ≤ indicador <1 = 3

Se indicador ≥ 1 = 1

Variação dos Gastos com pessoal ajustado

Indicador = [Custos com pessoal - valor ajustado (N -1)] - [Custos com pessoal - valor ajustado (N)]

 


Classificação:

Se < 75 = 1

Se 75 ≤ indicador < 100 = 3

Se indicador ≥ 100 = 5

Variação de Recursos Humanos

Indicador: Nº colaboradores (N-1) - Nº colaboradores (N)

 

​5

Classificação:

Se indicador < 3 = 1

Se 3 ≤ indicador < 5 = 3

Se indicador ≥ 5 = 5

Sustentabilidade Financeira - Variação do endividamento

Indicador = Endividamento (N)/ Endividamento (N-1) - 1

5

Classificação:

Se indicador > 2% = 1

Se 1,5% < indicador ≤ 2 = 3

Se indicador ≤ 1,5% = 5

(*) Apesar da redução de FSE em 18%, a magnitude de redução dos valores recuperados foi superior. Mantém-se o objetivo de controlo de custos e aumento da recuperação de ativos.

 

A avaliação do grau de cumprimento dos Objetivos é fixada de acordo com a seguinte grelha:

Grau de CumprimentoAvaliação Global
1Não cumprido
3Cumprido
5Superado

 

Fatores Chave para os Resultados da Empresa

 
 
1. Capacidade de recuperação dos créditos do lote interno cuja gestão é da responsabilidade das equipas de recuperação internas;
2. Capacidade de promover uma adequada gestão do risco da carteira, nomeadamente nas operações de reestruturação que obrigam a grande ponderação entre várias variáveis. A título de exemplo indicamos:
 

                          a) Capacidade de solvência da dívida por parte do devedor;

                          b) Garantias ajustadas à operação;

                          c) Situação dos devedores perante outros credores (por ex.: Estado).

3- Adequação da reengenharia efetuada ao processo de suporte operacional à gestão e cobrança de créditos pelas Empresas Externas de Recuperação, responsáveis pela cobrança de parte dos créditos pertencentes à carteira da PARVALOREM, S.A.;

4 - Capacidade de interação sistemática, balizada pelos regulamentos e procedimentos instituídos, entre as estruturas da PARVALOREM, S.A., e das duas empresas vencedoras do concurso de cedência de gestão de créditos;

5 - Assegurar, ao nível da aplicação core (SGV/LMP), o controlo sistemático de todas as operações internas e externas que permita uma informação de gestão fidedigna e atempada;

6 - Acompanhamento do desempenho das Empresas Externas na recuperação dos créditos que integram os lotes sob sua gestão;

7- Capacidade de promover uma adequada gestão dos ativos tomados por dação em cumprimento, particularmente os ativos imobiliários com vista a garantir coesão de critérios e procedimentos, independentemente da zona do território nacional em que se localizem, minimizando custos de gestão e promovendo a sua rápida alienação;

8- Capacidade de encontrar soluções e promover o escoamento dos ativos sob gestão;

9 - Evolução da economia portuguesa num quadro de favorável à recuperação das empresas e famílias, ao investimento e criação de emprego, que numa situação mais favorável poderá permitir o aumento das expectativas de recuperação do crédito sob gestão;

10 - Evolução das condições de concessão de crédito à economia pelo setor bancário, nomeadamente, as relativas ao crédito a particulares e empresas que, numa situação menos adversa, poderá permitir o incremento da alienação dos imóveis das PAR´s;

11 - Capacidade de encontrar soluções na área da gestão de Recursos Humanos que conduzam à adequação do quadro de pessoal à atividade das sociedades de acordo com as necessidades em cada momento;

12 - Racionalização da carteira de financiamento, nomeadamente junto da CGD e da DGTF, por forma a contribuir para a redução dos encargos financeiros a suportar pela PARVALOREM, S.A., tendo em conta que:

                               a) A Empresa tem como único acionista o Estado Português (através da DGTF);

                               b) A Empresa terá sempre uma atividade deficitária, e;

                               c) Alguns dos financiamentos beneficiam de garantia do Estado Português.

 
 

 

<