Ignorar Comandos do Friso
Saltar para o conteúdo principal

Institucional

Institucional
Objeto Social
A PARVALOREM, S.A. é uma sociedade anónima que tem por objeto social a prestação de serviços de consultoria, prestação de serviços administrativos, de aprovisionamento, operacionais e informáticos, a aquisição para a sociedade de títulos ou de créditos e correlativa gestão de carteira de títulos ou de créditos pertencentes à sociedade e a aquisição de imóveis para revenda no âmbito destas atividades.
Historial
As ações representativas do capital social do BPN – Banco Português de Negócios, S.A. (BPN) foram objeto de nacionalização, por força e nos termos do artigo 2º da Lei nº 62-A/2008, de 11 de novembro.
Subsequentemente, o Decreto-Lei nº 2/2010, de 05 de janeiro, aprovou a operação de reprivatização do BPN, tendo sido posteriormente alterado pelo Decreto-lei nº 96/2011, de 19 de agosto, no sentido de também contemplar a possibilidade de recorrer à venda direta na reprivatização do BPN.
Em execução dos Despachos de Sua excelência o Senhor Secretário de Estado do Tesouro e Finanças, respeitante à reestruturação do BPN e medidas subjacentes à mesma, determinadas pelos Despachos de Sua excelência o Senhor Secretário de Estado do Tesouro e Finanças nº 739/10-SETF, de 19 de julho, nº 875/10-SETF, de 19 de agosto, e nº 19070-A/2010-SETF, de 15 de dezembro, foram constituídas através de escritura pública outorgada em 16 de setembro de 2010, as sociedades PARVALOREM, S.A., PARUPS, S.A. e PARPARTICIPADAS, SGPS, S.A., (sociedades PAR’s) tendo como acionista único o BPN.
No âmbito do Memorandum of Understanding e do Memorandum of Economic and Financial Policies celebrados pelo Governo Português com a Comissão Europeia e com o Fundo Monetário Internacional, respetivamente e em execução do Despacho nº 825/11 do Senhor Secretário de Estado do Tesouro e Finanças , de 03/06/2011, que determina a aquisição pelo Estado Português, através da Direcção Geral do Tesouro e Finanças das ações, o Estado Português adquiriu 100% das ações  representativas do capital social da PARVALOREM, S.A., da PARUPS, S.A. e da PARPARTICIPADAS, SGPS, S.A., ao BPN em 14 de fevereiro de 2012.
As medidas subjacentes à reestruturação determinadas pelos Despachos de Sua excelência o Senhor Secretário de Estado do Tesouro e Finanças nº 739/10-SETF, de 19 de julho, nº 875/10-SETF, de 19 de agosto, e nº 19070-A/2010-SETF, de 15 de dezembro, passam pela segregação de um conjunto de ativos do balanço individual e consolidado do BPN e pela sua transmissão para as sociedades PAR’s.
Neste enquadramento, coube à PARVALOREM, S.A. adquirir ao BPN, S.A., ao Banco Efisa, S.A. e à BPN Crédito - Instituição Financeira de Crédito, S.A., um conjunto de créditos. 
Missão, Visão, Valores, Políticas e Linhas de Atuação
Missão
A PARVALOREM, S.A. tem por missão garantir a resolução do legado de créditos e de outros ativos, tendo como objetivo a maximização do encaixe financeiro e consequentemente, a limitação de potenciais perdas, através de uma equipa profissional, coesa e comprometida com a obtenção e superação dos resultados esperados.
Visão
A PARVALOREM, S.A. pretende deixar um legado de práticas de trabalho eficientes e eficazes enquanto Empresa criada para a resolução de questões complexas num contexto desafiante e adverso.
Valores
Os valores pelos quais a PARVALOREM pauta a sua atuação são:
 
Tabela (3).jpg 
 
Políticas e Linhas de Atuação

A PARVALOREM, S.A. está focada nas diretrizes recebidas do seu acionista único, o Estado Português, de racionalização da atividade da empresa e em potenciar ao máximo a recuperação da carteira sob gestão. 

 
Neste enquadramento, definiu como grandes linhas de atuação:
 
 
​ ​- Garantir que a atividade de gestão e cobrança dos créditos adquiridos fica sujeita às normas gerais de serviço e manuais de procedimentos em vigor e no cumprimento da legislação aplicável assegurando o cumprimento da obrigação de reporte à Central de Responsabilidades de Crédito no seguimento das Instruções do Banco de Portugal;
​- Garantir às Áreas funcionais da PARVALOREM, S.A., os meios tecnológicos (sistemas e infraestruturas) necessários ao desenvolvimento da atividade e com um nível de segurança ajustado;
​- Reaquacionar os contratos de prestações de serviço e racionalizar as instalações disponíveis;
​- Assegurar o apoio à gestão das empresas do universo das PAR´s (e suas subsidiárias) através das Áreas funcionais da PARVALOREM, S.A.;

​- Adaptar a estrutura orgânica da empresa à sua atividade;

​- Assegurar o cumprimento de todos os regulamentos em vigor, nomeadamente os aplicáveis às sociedades financeiras (PARPARTICIPADAS, SGPS, S.A. e suas subsidiárias;
​- Adaptar o processo de suporte operacional à gestão e cobrança de créditos e criar modelos de controlo de gestão que contemplem a intervenção futura das empresas externas de recuperação, responsáveis pela cobrança de parte dos créditos pertencentes à carteira da PARVALOREM, S.A.;
​- Assegurar a qualidade de informação constante na aplicação central da PARVALOREM, S.A. (LMP-SGV);
​- Assegurar a fiabilidade da informação relativa aos créditos em carteira com especial incidência nos que integram os lotes objeto de gestão por parte das Empresas Externas de Recuperação de Crédito;
- Recuperar e registar informaticamente a informação relativa a todas as fases em que se encontram os créditos com processos judiciais;
​- Atualizar o registo dos colaterais (garantias associadas a créditos de devedores) e efetuar a sua reavaliação com periodicidade adequada, tendo em conta a sua natureza, valor e custos associados;
- Adaptar a informação de gestão interna aos requisitos exigidos às Empresas do SEE (Setor Empresarial do Estado);
​- Ajustar de forma continua a estrutura funcional e os métodos de trabalho às mudanças que a evolução da atividade vai impondo gradualmente;
- Promover a evolução da Solução Core da PARVALOREM, S.A. (LMP/SGV);
- Manutenção dos Sites da PARVALOREM, S.A., PARUPS,S.A. e da PARPARTICIPADAS, SGPS, S.A.
 
 
 
Objetivos e Resultados Definidos
A análise do grau de cumprimento dos objetivos fundamenta-se na prossecução de um princípio básico de interesse público que conduziu à constituição da sociedade, nomeadamente a minimização do esforço financeiro do Estado, nas orientações do acionista e nas regras de bom governo definidas para o SEE (Setor Empresarial do Estado). 
 
Linhas de Atuação/Objetivos Grau de Cumprimento Observações
Definição e adaptação da estrutura orgânica à atividade atual100%Concluído. A atual estrutura funcional encontra-se em vigor desde 26 de junho de 2014.
Adoção das normas gerais e procedimentos que visam uma abordagem integrada da atividade da sociedade95%Trata-se de um processo dinâmico que foi objeto de revisão em 2017. Foram definidos procedimentos internos e instruções de serviço adequadas à natureza (sociedade não financeira) e da atividade da sociedade (recuperação de ativos).
Regulamento de Recuperação de Crédito100%Regulamento em vigor desde 13 março 2014 e atualizado em 22 de dezembro de 2016
Reequacionar contratos de prestação de serviços100%Processo concluído. Porém, em atualização contínua de acordo com as necessidades e prazos de vigências contratuais.
Funcionamento das equipas de Recuperação de Crédito100%A funcionar numa Direção única – Direção de Contencioso e Recuperação de Crédito
Apoio ao funcionamento e Gestão das Sociedades do Universo PAR´s100%As áreas funcionais da PARVALOREM, S.A. apoiam o funcionamento da PARUPS, S.A., PARPARTICIPADAS, SGPS, S.A. e respetivas participadas
Ferramentas de apoio aos regulamentos do Banco de  Portugal em vigor e aplicáveis à Sociedade90%A comunicação das responsabilidades de crédito à Central de Responsabilidades de Crédito (CRC) do Banco de Portugal é uma realidade desde 2011. Encontra-se em desenvolvimento o novo modelo de reporte, resultante do Regulamento 20146/867 do BCE que entrará em vigor durante o ano de 2018.
Informação de gestão com base nos requisitos da informação do SEE90%Encontra-se na sua fase final de implementação o projeto de Contabilidade Orçamental com vista a cumprir com o disposto no DL n.º 192/2015.
Adaptação do processo de suporte operacional à gestão e cobrança de créditos quer da equipa interna quer das empresas externas90%Processo em fase de melhorias sistemáticas
Criação de modelos de controlo de gestão tendo em conta a gestão por lotes de créditos 100%Processo concluído e modelo de análise da performance de cada “outsourcer"
Recuperação de informação relativa a processos judiciais90%Concluída a Task Force de análise documental, digitalização, atualização e carregamento de informação na aplicação LMP/SGV, ao nível de atualização e valorização de garantias e de atualização da LOAN PHASE do crédito. Mantém-se o esforço de atualização contínua, de cada dossier de crédito, na medida em que se trata de um processo dinâmico que decorre da evolução dos próprios processos de recuperação de crédito.
Implementação de um módulo da aplicação SGA para gestão dos ativos imobiliários80%Projeto que teve início em 2015 e cuja primeira parte se encontra em produção. Porém, com necessidade de desenvolvimentos adicionais para agarantir os automatismos necessários a uma eficiente gestão da carteira de imóveis, até à data não foi possível avançar com os desenvolvimentos adicionais, por falta de recursos para o efeito.
Redução do Quadro de Pessoal100%Quadro de pessoal estabilizado e enquadrado com o nível de atividade atual da Sociedade, findos os programas de rescisões de contratos de trabalho por mútuo acordo e despedimentos coletivos.
Execução de ações tendentes à valorização, recuperação e alienação de ativos móveis e imóveis100%Para além da divulgação dos imóveis para venda no site da sociedade, foram efetuados contratos de mediação com mais de uma centena de empresas de mediação imobiliária distribuídas geograficamente por todo o território nacional, de forma a promover a venda dos imóveis de um modo mais amplo, transparente, dinâmico e especializado.
Execução de ações de recuperação de créditos100%Implementação e aperfeiçoamento contínuo de uma cadeia de valor eficiente na atividade da recuperação de crédito.
Execução de ações de controlo interno e compliance85%Foi assegurado o cumprimento de obrigações, entre estas o aplicativo CRC do Banco de Portugal, das medidas a aplicar ao SEE, nomeadamente as de reporte e de implementação de um sistema de Contabilidade Orçamental. A estrutura mantém uma Direção de Auditoria e um Gabinete de Compliance que intervêm na medida das competências que lhes estão atribuídas. Foram aprovados procedimentos e Instruções de Serviço para todas as matérias relevantes da atividade da Empresa, as quais são revistas e atualizadas com regularidade. Foi dado inicio ao projeto para adequação das sociedades às exigências legais sobre Proteção d Dados Pessoais de Pessoas Singulares no contexto do Regulamento EU2016/679, que entra plenamente em vigor em 25 de maio de 2018.
Cumprimento de outros objetivos específicos fixados pelo acionista100%Cumprimento dos Objetivos Gerais.
Redução do prazo de pagamento a fornecedores100%A sociedade mantém um prazo de pagamento inferior a 30 dias
Racionalização e redução de custos100%Têm vindo a ser racionalizados de forma contínua desde 2012 todos os custos de estrutura, exceto, os custos variáveis em função da recuperação de crédito e dos quais depende o sucesso da própria atividade da empresa (custos judiciais, advogados e comissões devidas às empresas de outsourcing em função do valor de crédito recuperado, da mediação imobiliária e em função do valor das vendas de imóveis), nomeadamente custos com pessoal e instalações. Têm vindo a ser renegociados outros contratos na medida dos seus vencimentos, com os ajustamentos possíveis em função das necessidades e dimensão do universo das Sociedades PAR. Trata-se, porém, de um processo contínuo.
FSE em função da liquidação de ativos e recuperação de créditos.100%Os custos com FSE em 2017 representaram 6,3% da recuperação de crédito e alienação de ativos, o valor em 2016 foi de 11,8%.
Acompanhamento, análise, integração e gestão dos contratos de cedência da gestão de créditos100%

Conclusão do processo de internalização da gestão dos lotes 1 e 3, na sequência da não renovação do contrato de gestão pelo período de 3 anos, cujo vencimento ocorreu em abril de 2017.

Conclusão da migração e internalização dos contratos de créditos, em incumprimento, cedidos definitivamente pelo Banco BIC em fevereiro de 2017.

Acompanhamento da atividade dos Gestores externos.

Executar ações tendentes à recuperação, regularização, conservação e alienação de obras de arte95%

Em 2017 procedeu-se à dação em cumprimento ao Estado Português das obras de Joan Miró, que tinham sido recebidas em dação, no âmbito da recuperação de crédito.

O restante acervo encontra-se recuperado, regularizado e inventariado, não tendo sido ainda possível a alienação  das restantes obras.

Nota: Os dados apresentados constam do Relatório & Contas de 2017, estando sujeitos a uma atualização sempre que necessário.
 
Fatores Chave para os Resultados da Empresa
 
 
1. Capacidade de recuperação dos créditos do lote interno cuja gestão é da responsabilidade das equipas de recuperação internas;
2. Capacidade de promover uma adequada gestão do risco da carteira, nomeadamente nas operações de reestruturação que obrigam a grande ponderação entre várias variáveis. A título de exemplo indicamos:
 

                          a) Capacidade de solvência da dívida por parte do devedor;

                          b) Garantias ajustadas à operação;

                          c) Situação dos devedores perante outros credores (por ex.: Estado).

3- Adequação da reengenharia efetuada ao processo de suporte operacional à gestão e cobrança de créditos pelas Empresas Externas de Recuperação, responsáveis pela cobrança de parte dos créditos pertencentes à carteira da PARVALOREM, S.A.;

4 - Capacidade de interação sistemática, balizada pelos regulamentos e procedimentos instituídos, entre as estruturas da PARVALOREM, S.A., e das duas empresas vencedoras do concurso de cedência de gestão de créditos;

5 - Assegurar, ao nível da aplicação core (SGV/LMP), o controlo sistemático de todas as operações internas e externas que permita uma informação de gestão fidedigna e atempada;

6 - Acompanhamento do desempenho das Empresas Externas na recuperação dos créditos que integram os lotes sob sua gestão;

7- Capacidade de promover uma adequada gestão dos ativos tomados por dação em cumprimento, particularmente os ativos imobiliários com vista a garantir coesão de critérios e procedimentos, independentemente da zona do território nacional em que se localizem, minimizando custos de gestão e promovendo a sua rápida alienação;

8- Capacidade de encontrar soluções e promover o escoamento dos ativos sob gestão;

9 - Evolução da economia portuguesa num quadro de favorável à recuperação das empresas e famílias, ao investimento e criação de emprego, que numa situação mais favorável poderá permitir o aumento das expectativas de recuperação do crédito sob gestão;

10 - Evolução das condições de concessão de crédito à economia pelo setor bancário, nomeadamente, as relativas ao crédito a particulares e empresas que, numa situação menos adversa, poderá permitir o incremento da alienação dos imóveis das PAR´s;

11 - Capacidade de encontrar soluções na área da gestão de Recursos Humanos que conduzam à adequação do quadro de pessoal à atividade das sociedades de acordo com as necessidades em cada momento;

12 - Racionalização da carteira de financiamento, nomeadamente junto da CGD e da DGTF, por forma a contribuir para a redução dos encargos financeiros a suportar pela PARVALOREM, S.A., tendo em conta que:

                               a) A Empresa tem como único acionista o Estado Português (através da DGTF);

                               b) A Empresa terá sempre uma atividade deficitária, e;

                               c) Alguns dos financiamentos beneficiam de garantia do Estado Português.

 
 

 

<