Ignorar Comandos do Friso
Saltar para o conteúdo principal

Parvalorem, S.A.

Parvalorem, S.A.

A PARVALOREM, S.A. é hoje uma Sociedade completamente distinta daquela que iniciou e permitiu o processo de reprivatização do Banco Português de Negócios (BPN), aquando da incorporação e consequente aquisição do legado de ativos do Grupo BPN, em 2010 e 2012, estando preparada para desempenhar o objeto que lhe foi destinado pelo seu acionista - a recuperação de ativos.

Foi criada por decisão do Estado Português para adquirir e gerir uma tipologia de ativos caraterizados por uma reduzida liquidez, de difícil recuperação, e que, na sua essência, coincidem com as características dos que se registam num "Bad Bank".

O objetivo da Sociedade centra-se na alienação/recuperação desses ativos, tão breve quanto possível, com todas as contingências que lhe estão associadas - legais, ambientais e económicas.

O Estado Português, no âmbito do contrato de gestão celebrado com a Administração destas Sociedades, atribuiu como missão estratégica a racionalização da estrutura e da atividade, bem como a adequada gestão, promoção e escoamento dos ativos das empresas, tendo por objetivo anual a criação de valor para o acionista que se materializa na maximização da recuperação do esforço público inerente à nacionalização e reprivatização do BPN.

 

Vetores Estratégicos

 

Os vetores estratégicos que sustentam a atuação da gestão da sociedade são os seguintes:

  • Recuperação de Créditos;
  • Venda/Liquidação de Ativos;
  • Adequação da estrutura de funcionamento da Empresa

 

Orientações Estratégicas - Específicas para a Parvalorem

 

  • Garantir a melhor gestão e recuperação dos ativos num enquadramento racional de "best practice", assegurando a máxima rendibilidade face aos preços de mercado, garantindo em todo o tempo o cumprimento dos princípios de boas práticas e de ética empresarial; 
  • Assegurar a gestão das outras duas Sociedades: PARUPS  e PARPARTICIPADAS;
  • Assegurar a implementação e manutenção de um sistema de informação e tecnológico que permita a integração de todos os dados processuais num suporte de gestão próprio;
  • Assegurar a interação eficiente, balizada pelos regulamentos e procedimentos instituídos com as entidades externas escolhidas através de Concurso Público para a gestão dos créditos da PARVALOREM;
  • Garantir a adequação da estrutura da empresa à realidade estratégica e objetivos propostos para a Sociedade, redução de Recursos Humanos, redimensionamento das infraestruturas e redução de custos para obtenção de uma performance operacional adequada, execução e estabilização do novo modelo de gestão;
  • Avaliação e gestão dos patrocínios judiciais;
  • Acompanhar e avaliar a atividade desenvolvida pelas entidades externas que gerem créditos da PARVALOREM;
  • Promover uma adequada gestão dos ativos adquiridos em dação e cumprimento, procurando o seu rápido escoamento;
  • Adaptar a informação de gestão interna aos requisitos exigidos às empresas do SEE (Sector Empresarial do Estado).

​ 

Síntese do ano 2017

 

Ao longo do exercício de 2017, a PARVALOREM, S.A., prosseguiu a sua missão de contribuir para a minimização do esforço financeiro do Estado no âmbito da operação de reestruturação e reprivatização do BPN, de acordo com as diretrizes do seu acionista único, o Estado Português, e consignada nos despachos nº 739/10-SETF de 19 de julho, 875/10-SETF de 19 agosto e 19.070-A/2010-SETF de 15 de dezembro.

 

A sociedade recuperou ativos no exercício de 2017 num total de €122,2 milhões, dos quais €57,5 milhões diretamente decorrentes da carteira de contas a receber, €44,5 milhões com a dação das obras do pintor Joan Miró, €13,7 milhões com a atividade imobiliária  e €6,5 em ativos financeiros.

 

No ano de 2017 foram reintegrados, na carteira gerida internamente, créditos anteriormente geridos pela empresa Logicomer, após a cessão do contrato de prestação de serviços com esta entidade, bem como créditos cedidos em fevereiro pelo Banco EuroBIC.

 

Com a entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 192/2015, de 11 de setembro, a PARVALOREM, S.A. passou a estar obrigada ao cumprimento dos requisitos legais relativos à contabilidade orçamental. Neste contexto, com o objetivo de assegurar o cumprimento desta imposição legal, e em simultâneo disponibilizar as condições para uma otimização dos processos correntes, foi necessário proceder à reestruturação da solução informática existente, e, assim, assegurar a produção de informação atempada e de qualidade. Com a implementação da solução aprovada, foi ainda necessário efetuar um conjunto de adaptações para dar cumprimento a necessidades de reporte à UniLeo (Unidade de Implementação da Lei de Enquadramento Orçamental).

 

Concluiu-se o levantamento dos gap´s entre a atual e a futura CRC (Central de Responsabilidades de Crédito), o que permitiu a produção do caderno de requisitos de suporte ao desenvolvimento das alterações necessárias ao SGV e respetiva parametrização da solução Symetria da empresa Novabase, etapa prévia essencial para se assegurar o cumprimento da legislação com entrada em vigor durante o ano de 2018.

 

Foi ainda durante o ano de 2017 que se concluiu o processo de análise e decisão das propostas recebidas no âmbito do Projeto de implementação das adequações necessárias ao cumprimento das regras emanadas do novo RGPD (Regulamento Geral de proteção de Dados), tendo sido adjudicada a proposta que pela avaliação interna se revelou mais adequada aos interesses da Sociedade.

 

<